Skolah Bedja no África Move

Abrem a programação do África Move os Skolah Bedja, de Sebastião Antunes e Miguel Gomes, numa noite dedicada à multi-instrumentalidade.

Miguel Gomes, da Associação Gaita de Foles de Portugal, músico de gaita de foles e percussões,  e Sebastião Antunes, Mestre da Quadrilha e músico de guitarra, bouzouki, bandolim, bandoleta, percussão, flauta e tin whistle, a abrir o programa numa noite dedicada à multi-instrumentalidade.

Skolah Bedja

Skolah Bedja

Os Skolah Bedja ("Old School") são o resultado do embate entre um músico e um antropólogo, ambos fascinados pelos sons do Magrebe e do Mali, dos instrumentos e das práticas musicais não-Europeias, apesar de ambos serem profícuos na execução de instrumentos e sonoridades da velha Europa.

Tudo começou em 2009, quando Sebastião Antunes experimentava o seu N'goni (um instrumento de cordas da África Ocidental) e se viu acompanhado involuntariamente pelo Bodhrán (um membranofone Irlandês) de Miguel Gomes, com ritmos do Magreb e do Brasil. É estranho? Talvez. Considerando que os Skolah Bedja gostam mesmo é de música do Mali, de Funanás de Cabo Verde, de Pífano Brasileiro ou do Er-Hu Chinês, mas tocam sobretudo repertórios de música popular Portuguesa no seu dia-a-dia e o resultado é...uma tentativa de aproximação de tudo isto.

Duramente criticados pelos mais puristas, os Skolah Bedjah retorquem entre gargalhadas: "Nhós gosta di papia asnera -  temos pena!".

Sebastião Antunes: Guitarra, Bouzouki, Bandolim, Bandoleta, Percussão, Flauta e Tin Whistle.

Miguel Gomes: Bodhrán, Caixa, Cajón, Gaita Galega, Gaita Transmontana, Gaita Midi.

Mural Sonoro

Mural Sonoro

Música em contexto urbano diversa - Portugal, África Portuguesa, Países de expressão portuguesa.

Um projecto de Soraia Simões, que nasceu em 1976 na cidade de Coimbra.

É uma apaixonada pela música e pelas expressões culturais de vários ‘povos’ do mundo. Incide o seu estudo e trabalhos na cultura popular e nas práticas musicais de países de expressão portuguesa, especialmente, a partir do Sec XX.

Embora o seu trabalho, no terreno, se debruçe nos agentes culturais e musicais vindos de outros pontos do mundo, migrados em Portugal, tem o objectivo de conhecer toda a África portuguesa, e as suas paisagens sonoras a fundo, e tem um gosto especial por Cabo Verde onde tem família.

Pós graduada em Estudos de Música Popular pelo Departamento de Ciências Musicais, na Universidade Nova de Lisboa no ano de 2012, trabalhou em vários órgãos e edições (locais e sites específicos) com trabalhos de autora na área musical diversos.

Ainda na cidade de Coimbra, esteve dois anos em Antropologia, em Ciências de Informação entre os anos de 1999 e 2002 e passou pelo Curso Superior de Medicina Chinesa de Pedro Choy.

Envolveu-se ao longo dos últimos três anos em workshops (onde foi assistente) diversos: 'Musicoterapia', 'Música e Som, 'Música com o Corpo' .
Deu aulas na ESTAL (Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa) no segundo semestre - de 2008 a 2010 - e no Instituto Galeno (no mesmo período). Ao longo do seu percurso foi convidada pontualmente para fazer opinião de discos nacionais e contextualização teórica.

É autora de um programa de cariz documental para televisão sobre música popular em contexto diaspórico e migratório, e de um espaço na internet com a mesma génese, de nome Mural Sonoro. 'Passado-Presente, Uma Viagem ao Universo de Paulo de Carvalho' reflecte algumas das suas preocupações e problemáticas no contexto da prática musical popular de matriz urbana. A multiculturalidade - um dos aspectos mais abordados no seu trabalho - diz "patenteia-se em toda a actividade profissional do músico Paulo de Carvalho". Este seu trabalho parte de um ciclo de conversas durante quase um ano com o músico e sairá em Setembro/Outubro com o selo da Chiado Editora.

 

http://muralsonoro.tumblr.com/

4 de Julho
22h00
Largo de São Vicente
Évora