Djumbai Jazz no África Move (Cancelado)

No dia 8 de Agosto teremos connosco Djumbai Jazz para mais uma sessão de África Move.

 

Mural Sonoro

Mural Sonoro

Música em contexto urbano diversa - Portugal, África Portuguesa, Países de expressão portuguesa.

Um projecto de Soraia Simões, que nasceu em 1976 na cidade de Coimbra.

É uma apaixonada pela música e pelas expressões culturais de vários ‘povos’ do mundo. Incide o seu estudo e trabalhos na cultura popular e nas práticas musicais de países de expressão portuguesa, especialmente, a partir do Sec XX.

Embora o seu trabalho, no terreno, se debruçe nos agentes culturais e musicais vindos de outros pontos do mundo, migrados em Portugal, tem o objectivo de conhecer toda a África portuguesa, e as suas paisagens sonoras a fundo, e tem um gosto especial por Cabo Verde onde tem família.

Pós graduada em Estudos de Música Popular pelo Departamento de Ciências Musicais, na Universidade Nova de Lisboa no ano de 2012, trabalhou em vários órgãos e edições (locais e sites específicos) com trabalhos de autora na área musical diversos.

Ainda na cidade de Coimbra, esteve dois anos em Antropologia, em Ciências de Informação entre os anos de 1999 e 2002 e passou pelo Curso Superior de Medicina Chinesa de Pedro Choy.

Envolveu-se ao longo dos últimos três anos em workshops (onde foi assistente) diversos: 'Musicoterapia', 'Música e Som, 'Música com o Corpo' .
Deu aulas na ESTAL (Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa) no segundo semestre - de 2008 a 2010 - e no Instituto Galeno (no mesmo período). Ao longo do seu percurso foi convidada pontualmente para fazer opinião de discos nacionais e contextualização teórica.

É autora de um programa de cariz documental para televisão sobre música popular em contexto diaspórico e migratório, e de um espaço na internet com a mesma génese, de nome Mural Sonoro. 'Passado-Presente, Uma Viagem ao Universo de Paulo de Carvalho' reflecte algumas das suas preocupações e problemáticas no contexto da prática musical popular de matriz urbana. A multiculturalidade - um dos aspectos mais abordados no seu trabalho - diz "patenteia-se em toda a actividade profissional do músico Paulo de Carvalho". Este seu trabalho parte de um ciclo de conversas durante quase um ano com o músico e sairá em Setembro/Outubro com o selo da Chiado Editora.

 

http://muralsonoro.tumblr.com/

Djumbai Jazz

O Djumbai Jazz surge em 1999 pela mão de Maio Coopé. Um projeto formado por quatro pessoas que respeitam as tradições e são fiéis a um convívio intimista e alegre.
«No meu país, sobretudo nas zonas suburbanas, antes das crianças irem dormir há uma reunião junto dos mais velhos, ao redor da fogueira, contam-se histórias e há sempre uma pessoa para cantar. Trata-se de um costume de Guiné Bissau que esteve sempre próximo de mim». Foi nesta atmosfera que Maio Coopé, cantor, músico e compositor, encontrou brechas para se transformar em nome importante na música da Guiné-Bissau. Um país formado por mais de 43 etnias e com grande diversidade cultural, Guiné-Bissau é o caldeirão que Maio vem bebendo desde pequeno. Filho de pais também músicos, começou a cantar em festas tradicionais. Com a independência da Guiné-Bissau (1974) e a consequente efervescência cultural, as portas para a exibição de suas potencialidades ficaram abertas. No início, Maio Coopé procurou sempre estar bem próximo da música tradicional, trabalhando a sua voz junto à percussão e com repertório de canções populares. Em Setembro de 1975, venceu o Festival de Mandjuandadi para músicas tradicionais cantadas em Crioulo. O cantor construiu uma carreira que evolui a cada ano.

8 de Agosto
22h00
Largo de São Vicente
Évora