Baba Antropofágica

Universidade Federal Uberlândia e Colecção B

Baba Antropofágica é uma performance que se costura à volta do cruzamento arte e vida.  Criada em 1973, por Lygia Clark, já foi apresentada inúmeras vezes, em diversos contextos. Pensando a relação entre espectador, as vivências do espaço e a ideia de corpo colectivo, esta performance é aberta aos participantes que se quiserem inscrever.  Em silêncio, os corpos desfiam o fluxo colorido das suas narrativas pessoais, criando uma teia que sublinha a impossibilidade de verbalização do pensamento artístico.

Esta apresentação, que reúne alunos da Universidade Federal de Uberlândia no Brasil e a Colecção B, rompe também com as fronteiras entre os espaços físicos e a realidade virtual: levada ao palco em simultâneo, em Évora e em Minas Gerais,  a performance será filmada e projectada em directo em ambas as salas, recorrendo-se, para o efeito, às linhas invisíveis da internet.

A performance Baba Antropofágica, como aqui se tece, continua a escutar-se como revelação do silêncio e da palavra não dita,  acrescentando à proposição original uma nova rede de reflexões sobre o espaço do corpo colectivo, a partilha dos tempos e o lugar da arte.

 

Mais informações e inscrições

266704236  919306951

Ou colb@escritanapaisagem.net

 

 

 

Colecção B

Colecção B

Colecção B, Associação Cultural é uma associação sem fins lucrativos, que sustenta o seu projecto num conjunto parcerias sólidas, angariadas ao longo do tempo. Dedica-se à criação artística e sua programação, privilegiando um método de trabalho transdisciplinar, aplicado em actividades e objectos diversos: livros, performances, exposições, encontros e plataformas de formação, entre outros.
Criada em 2000, no Alentejo, propõe-se ainda a estabelecer e consolidar relações com a paisagem natural e humana da região, desenvolvendo actividades que, através das estratégias estéticas e artísticas da associação, programam, observam, repensam, interpelam e intervêm na região, ligadas ao passado da tradição e do património, ao presente e ao futuro pela realidade que problemas sociais, financeiros, ecológicos e políticos apresentam.

17 de Agosto
22h, Igreja de São Vicente