Sobre os escombros

Os últimos espectáculos da companhia Teatro do Vestido têm pensado o espaço urbano, criando projectos de intervenção juntamente com criadores convidados. Agora, na semana de 23 a 28 de Julho, vão sair da cidade e pensar o campo, numa residência artistíca que terá lugar no Monte do Quiosque, Azaruja, e que solicita a participação de pessoas locais que queiram colaborar neste projecto, mantendo correspondência espaçada com a Companhia.

O Teatro do Vestido tem desenvolvido ao longo dos últimos 6 anos uma relação com o Festival Escrita na Paisagem, sendo que essa relação não acaba no acolhimento dos projectos e essa aposta por parte do mesmo. Há uma relação que abarca os dois projectos, com a terra e as comunidades que nela vivem.

Sobre os Escombros será um processo de trabalho de um ano que reflectirá a vida dos seus participantes na sua relação com o país e gentes que o habitam, como vivem nele ,como se sentem. Esta questão é também ela geográfica. Na cidade de Lisboa assistimos a uma falta de horizonte criado pela paisagem urbana, mesmo quando face ao Tejo e apreciando a vista nos seus miradouros, há um corte que define a cidade com uma noção clara das suas fronteira e como se pode entrar e sair. O rio, a segunda circular, as saídas da cidade que se vai dissolvendo entre tecidos urbanos e semi urbanos oferecem um horizonte fechado.

Após os Espectáculos Monstro (um trabalho em progresso que desenvolvemos agora) que é de natureza política entre Lisboa, São Paulo e Rio de Janeiro e Esta é a Minha Cidade e eu Quero Viver Nela, em Lisboa e Porto, partimos da cidade para um território mais rural, ainda que a base seja Évora, a sua proximidade a uma geografias rural e de planicie permitirão um ambiente diferente para a criação e percepção.

Acreditamos que uma mudança de ambiente geográfico permitirá uma clareza que somente o tecido urbano onde habitamos não oferece, e também o esforço do TdV neste último biénio e as linhas que nos conduzem sejam o activismo, na sua raiz de acção sobre o mundo e também o estabelecimento de uma comunidade participativa, que se ramifique. Esse rizoma não poderá ficar apenas contido num tipo de geografia e ambiente.

De duração curta, esta residência pretende iniciar um processo com a duração de um ano. Durante esse ano será estabelecido um contacto com pessoas e mantida correspondência entre o Teatro do Vestido e as pessoas que vierem desejar a colaborar neste projecto. O que pretendemos é criar um trabalho que seja sobre pessoas locais, a sua visão sobre o mundo e o acompanhamento espaçado de Julho de 2012 a Julho de 2013.

Este trabalho pretende também uma observação e uma participação entre as partes envolvidas, TdV e pessoas que descobrirmos com quem criaremos uma relação, uma vez que o espectáculo será a partir dessas pessoas e das suas sensibilidades face ao mundo.

Teatro do Vestido

Teatro do Vestido

Colectivo teatral e multidisciplinar fundado em 2001, com vista à criação de trabalhos teatrais e de instalação, que explorem novos  processos criativos e, nomeadamente, criem uma dramaturgia original.

Página Oficial

Residência
23 a 28 de Julho
Monte do Quiosque
Azaruja

Conferência
28 de Julho
21h30
Monte do Quiosque
Azaruja